Login com a conta do Facebook >
BBC
Top Gear
Procure em topgear.com.pt

Carros // Testes

Teste: Toyota Yaris Hybrid Square Collection

7/10
€ 21.460
02 Ago 2017
teste-toyota-yaris-hybrid-square-collection

A Toyota remodelou o Yaris e a versão híbrida (exemplar único neste segmento) que vê nestas páginas é a edição especial Square Collection. Por isso, para além da frente redesenhada, dos novos pára-choques, dos novos farolins e da nova tampa da mala que todos os novos Yaris têm, se optar por esta edição especial tem ainda direito a esta roupagem exclusiva Square Collection, que inclui o tejadilho e os retrovisores em preto a fazerem contraste com a cor que escolher (aqui o Azul Nébula). Os frisos laterais em preto também fazem parte deste pack Square Collection, mas também temos estas jantes de 16 polegadas, os vidros escurecidos atrás, as óticas traseiras em LED, o aviso de mudança de faixa, o aviso de colisão e o reconhecimento dos sinais de trânsito.

No habitáculo, o painel de instrumentos tem uma nova apresentação e há um novo ecrã central com diversas informações que podem ser selecionadas através dos comandos existentes no também renovado volante. Já o ecrã multimédia no centro do tablier, também ele melhorado, é onde podemos obter as inúmeras informações sobre o sistema híbrido, consumos, conectividade, rádio, a ligação por Bluetooth do telefone ou a câmara de marcha-atrás. A cor envolvente do tablier combina sempre com a cor exterior, azul neste caso, e os painéis das portas e os pespontos dos bancos ganham a mesma coloração.

  • 1 | 7
  • 2 | 7
  • 3 | 7
  • 4 | 7
  • 5 | 7
  • 6 | 7
  • 7 | 7

Estamos bem sentados ao volante do Yaris. Altos, mas bem sentados para o que se deseja de um utilitário. A chave mãos-livres é que só passa a sê-lo quando estamos no habitáculo. Ou seja, até lá, há que premir o botão para abrirmos as portas. Uma vez lá dentro, podemos guardá-la, porque para ligarmos o Yaris basta premir um botão. Mas isso não significa, necessariamente, que obtemos som do motor 1.5 a gasolina. Aliás, a maior parte das vezes, o mais natural é que o Yaris acorde em silêncio. Está pronto para arrancar e se movermos a alavanca da caixa automática CVT (variação contínua) para a posição “D”, permite-nos colocar o Yaris em movimento sem ruído. Pelo menos nos primeiros metros. Depois, o motor 1.5 acorda, já que a autonomia elétrica não é, ainda, um forte do Yaris Hybrid. Serve alguns propósitos, mas nada de grandes distâncias. A Toyota efetuou algumas melhorias na gestão do módulo híbrido e na insonorização e isso nota-se na forma como o ambiente a bordo é mais calmo e como o Yaris progride mais com menos aceleração. Mas nem sempre é fácil gerir da melhor forma os 100 cavalos que o conjunto motor a combustão/elétrico oferece.

A caixa de variação contínua mantém alguma estranheza na sua utilização, mesmo que agora só quando pisamos o acelerador a fundo é que se torna, de facto, incomodativa. Em contrapartida, a sua utilização em cidade ou em estradas nacionais com pouca aceleração, permite que o Yaris nos brinde com uma utilização prática, suave e descontraída. E é isso mesmo que o Yaris Hybrid pede: descontração. É desta forma que conseguimos andar abaixo dos 5,0 l/100 km. Na realidade consegue-se, com algum cuidado, rodar com um consumo a rondar os 4,0 l/100 km, mas no nosso teste, a média cifrou-se nos 5,0 l/100 km. Foi muitas vezes utilizado sem preocupações, com auto-estrada pelo meio, embora noutras o empenho em obter o melhor consumo possível também tenha sido uma realidade. Mas não será essa a utilização que lhe vai dar?

A direção foi melhorada e agora temos um pouco mais de feedback, enquanto o conforto de rolamento também saiu beneficiado com a alteração das ancoragens da suspensão. O espaço e a bagageira continuam na média do segmento, mas o que nos custa perceber são pormenores, por exemplo, de termos máximos automáticos quando não temos luzes automáticas.

De resto, é um utilitário híbrido de fácil utilização e que tem toda a reputação do mundo em fiabilidade para lhe durar uma vida. Até porque, por enquanto, não há mais nenhuma opção híbrida neste segmento.

 

Texto: Bruno Costa Silva (ed. 72)

Fotos: Pedro M. Barreiros

 

Ficha Técnica:

1.497 cc, 4 cil., tração dianteira, 100 cv (combinado), 111 Nm

3,6 l/100 km, 82 g/km CO2

0-100 km/h em 11,8 s, 165 km/h

1.235 kg

 

 

Últimos Testes
Teste: Ford Fiesta 1.0 EcoBoost

A nova geração do Ford Fiesta promete muito... E cumpre em quase tudo!

Ler mais
Teste: Volkswagen Golf GTI

A gama Golf conta ainda com mais versões e opções. mas o GTI continua a ocupar um lugar especial.

Ler mais
Teste: BMW 520d Touring

Muito conforto a bordo e um prestável motor de dois litros com 190 cavalos. Bons consumos e muita autonomia.

Ler mais
TopGear # 79
Bem-vindo ao Facebook da TopGear Portugal
Bem-vindo ao Facebook da TopGear Portugal
Junte-se aos quase 200 mil fãs da melhor revista de automóveis do mundo!
Clique aqui